1 de dezembro de 2009

SÉRIE MULHER "Complexo"

Poucos detalhes se sabem dela.
Mente confusa de principio original,
É maravilhosa de alma única,
Espírito de fera, pensamento racional
Ela é complicada de sentimento turvo
Mas isto não há de ter importância...
Ser de gênero difícil de compreender,
Impossível entender, mas fácil de amar,
Transcendem a mente e os desejos...
Uma resposta que provoca mais...
Mil questionamentos que estão lá.
Uma mulher por dentro é complexa
Perguntas que em si se encontram.
E respostas que lá não hão de estar.

10 de novembro de 2009

SÉRIE MULHER "Efeito motivo"


Sutil é o que invade sem fazer barulho, o que entra sem precisar pedir permissão, sendo natural não causa alarde, causa sereno orgulho. Sentimento quase nato que cresce sem ser maior se faz, pois já nasce grande. Sem perceber vai se revelando calmamente, parte por parte. E a cada respirar paciente, confirma o pulsar do coração.
Efeito estranho que nasce no olhar, na palavra, na idéia, em sonhos onde o chão se perde, o céu abraça e o mundo fica pequeno perto do motivo que gera o efeito sentido. Um grão de areia que se move é argumento necessário para dar a vida, ganhar o mundo para que o efeito dure, pois o motivo é superior a qualquer outro.
O sutil que já nasce grande e vai se revelando, grande já se percebe, tamanho sentimento que toma conta do coração. Agora o efeito tem um tom de plenitude, pois pleno é e ganha sublimes intenções.
Tudo quer, tudo pode o efeito e o motivo são nobres, só podendo ser os dois, um só.
É forte e persuasivo, atordoa e transcende, enlouquece. Forte é a origem sublime. Tudo é motivo e efeito, só podendo ser efeito e motivo de tudo uma mulher em questão.

5 de novembro de 2009

SÉRIE MULHER "Mulher mãe, Maria"

És mãe mulher.
És de amor Maria.
És Maria, pois vive a dor,
forte mulher, sofre.
Chora mãe e sorri,
feito flor cria teu fruto.
Na fé se faz forte,
ao trabalho dispôs ventre,
dispôs seio e teu amor.

Forte és Maria mulher,
ela que luta o hoje.
Acaricia assume como seu
corpo dele que deu a luz ontem,
deu-lhe a vida, ofereceu calor.
Fruto teu mulher
És heroína de fé,
por um filho a vida daria.
Feliz és Maria mulher de amor.

SÉRIE MULHER... "Jogo Sedução"

Ele mulher...
...controla tua chama e fogo,
brilha seus olhos vibra o corpo,
arrasa teu coração
a paixão arrepia,
e então ele controlou
os teus desejos num todo.

Tua sedução excita
e então o corpo vibra,
teus olhos fecham
e o controle espera.
Ele não controlou
e, sintiu-se morto.

Mulher então domina
pelo desejo todo.
Com teu desejo todo
ele acabou caindo,
ela acabou seduzindo,
e o jogo a mulher ganhou.

5 de outubro de 2009

PLENO..


EU VI O ENCONTRO DO DIA COM A NOITE
ME PERMITI AO OBSERVAR A LUZ DO AMANHÃ
CONSEGUI ENTERRAR O SOL MEIO AOS MONTES
ME PERDI NO INFINITO ENTRE O CÉU E O MAR
HOJE SOU INFINITO, MAIS QUE O UNIVERSO
ULTRAPASSANDO PEQUENOS INSTANTES
TRANSCENDENDO O FÍSICO, E ESPIRITUAL
HOJE SOU TUDO E NADA, FOGO E AGUA
FERRO E AR, INICIO E FIM, A PLENITUDE
ESTOU COM DEUS, ESPERANÇA DE TODOS
E ENTRE TODOS, SOU ÚNICO, POR DEUS
PORQUE ASSIM FUI FEITO E ASSIM SOU.
FEITO SEMELHANÇA DO FILHO DO HOMEM
FILHO QUE ENTREGUE A NÓS, NOS SALVOU
HOJE BUSCO SANTIDADE, AS COISAS DO CÉU
QUANTO MAIS PERTO CHEGO, MAIS DEUS SOU

11 de agosto de 2009

SONHO DE AMOR

Eis que pensamentos têm asas, pois voam em céu infinito.
Pássaros que são sonhos, celestes seres do céu.
Rápidos como águias e belos beija-flores, manifestam vontade.
Desejo voraz, céu de sonhos estrelados.

Acreditar é fé, que faz os pássaros voarem longe.
Fé que nasce no peito, na mente. Assim, alçar grandes vôos.
A ingênua fé se faz forte, enquanto o destino caminha pela sorte.
A vida construída pela crença do bom do amanha.

Se o sonho do amor pleno existisse nos desejos de todos.
E amar fosse ser amor, como um poço transbordante.
O pássaro de sonho seria intenso como fogo, flamejante.
Amor contagiante, eterno e confortante.

Fé no amar, como a sí mesmo e ao próximo.
Como dizem por ai, não se coloca medida no amar.
Quando descobrimos o tamanho do amor
Tomamos conta dos pensamentos e amamos sem medida.

27 de julho de 2009

A busca pela existência...

Viver é estar condenado a agir. A vida é uma grande responsabilidade que possui conseqüências. O milagre supremo da existência é reafirmado nas ações, e por estas, cria-se o objetivo e coragem para tamanha ousadia que é viver. O ato de falar é uma ação que expressa a existência e pensamentos, construindo, assim, uma posição social e pessoal do ser em seu contexto. Omitir-se também é agir, expressa existência e, por isso, é condenável pela responsabilidade do viver e suas conseqüências.
Não é possível fazer uma “vida vazia”, mas destruir a existência com ações de pouco valor, e por conseqüência ter uma vida insignificante e sem felicidade.
Deste modo, em vez de agir passivamente por omissão e construir uma vida sem valor, porque não protagonizar uma vida repleta de ações refletidas e de maneira virtuosa, criar conseqüências valorosas não só para um mundo egóico, mas para um contexto social. O milagre da existência ganha um significado e a vida um objetivo quando se aprende que, a própria felicidade está na felicidade do próximo, e que nunca vai ser plenamente feliz vivendo de maneira egoísta e indiferente aos problemas comuns.

Viver para o próximo pode curar, qualquer doença existencial.

22 de maio de 2009

Pássaro / Anjo

Se és um anjo, que voe ao infinito.
Viva as dores, levante vôo, cante e sorria
Tu és um belo pássaro, belo lindo e findo.
Eternas suas alegrias
Pássaro do céu
Anjo de fogo
Tardia a liberdade e vida
Proclame suas histórias
Espalhe o amor enquanto é dia


Se és um anjo voe
Também és pássaro, então cante
Se és de fogo, queime
Se és liberto, viva

Pássaro / Anjo que és
No dia que a saudade te consome
Volta e mata tua dor
Conte as alegres histórias
Por fim celebre em minha companhia.

Se não existe mudança, não existe aprendizagem...

Sabe-se que a mudança é a única constante do universo e nunca vivemos o mesmo momento. O tempo sempre avança, não para nem recua, e junto com o tempo, o planeta não para de girar em torno do sol, nem em torno de si mesmo. Nunca estamos no mesmo lugar, e giramos a uma velocidade constante de 1674 km/h junto com o planeta, isso é mudança.
O ser humano faz parte da mudança e comprova isso, pois vivemos em um parto constante, (re)nascemos a todo instante com soluções semelhantes para diferentes problemas e soluções diferentes para um mesmo problema. Somos diferentes, e guerreamos pelas diferenças. Somos inconstantes e insatisfeitos. Toda essa mudança deve-se a nossa capacidade cognitiva de absorver informações e aprender sempre através de experiências e situações.
A aprendizagem é qualquer mudança relativamente permanente no comportamento, e que resulta de experiência ou prática.
Aprender é o grande ato de viver, enfim vivemos e aprendemos em todo momento. Desde que nascemos aprendemos a respirar, assimilar informações captadas pelos nossos sentidos e processadas pelo nosso psiquê. Se não há mudança, não há aprendizagem, e se aprender é tão bom, por que não gostamos de mudar?


A vida nos “prega peças” para mudarmos, e sermos melhores a cada dia.

video

LER, DEVERIA SER POIBIDO...

video

A CERTEZA DO PONTO FINAL, E A VERDADE DOS ENTREMEIOS DA VIDA.


Desde pequeno aprendi que o ponto final nem sempre é a suprema verdade ou o fim de algum assunto, diferentemente da interrogação, que por si só significa um questionamento, ou da exclamação que é uma verdade exaltada.
O ponto final, poeticamente falando, é ‘seco’. Sem graça, ele não expressa verdades, como deveria de fato ser. Mas expressa situações com fins, e possíveis começos e meios.
Por exemplo, se eu falar “Hoje o dia está lindo, entretanto poderá mudar. (ponto final)” Abre uma incerteza apesar de ser certeza. Ou melhor, é uma certeza de dúvida, se assim posso dizer. Como incertamente um ponto final pode significar um simples fim.
Percebendo isso, o ponto final perde sua importância, pois não é a certeza suprema do fim que importa, mas a verdade dos entremeios de uma história.
A graça dos livros de Agatha Christie não é nome do assassino que se encontra nas páginas finais, mas como foi o percurso perigoso e difícil que chegou enfim ao objetivo. Apesar de o mais interessante ser os meados da história, onde tudo acontece, à própria Agatha começava a escrever seus livros pelo fim. Pois o que faz os detetives dos livros da Mr. Christie ter empolgantes meados é o objetivo do fim.
Sendo assim, contextualizando o ponto final, a luz do fim do túnel perde seu valor como verdade e os trilhos se tornam estranhamente valorosos. Construir uma vida sem entremeios de história, resulta como conseqüência, a falta de um fim. Ter um trem em um túnel sem trilhos resulta como conseqüência nunca alcançar a luz.
O fim é importante para se formar um meio, para se fazer uma vida precisamos de um objetivo, um ideal, um sonho ou uma “luz”. O fim dessa vida vai ser conseqüência de tudo que está nos entremeios dela.

Não gosto do começo, por mim o desprezava. Tudo pode mudar nos entremeios, pois a verdade está lá. Quem começa morto pode até ressuscitar, mas a certeza é de um fim e a verdade é dos entremeios. Quantas vezes, eu, já vi e ouvi histórias de pessoas que nascem pobres, tem como fim o sucesso e a riqueza e nos entremeios muito trabalho, desejo, e determinação.
Com toda essa história cansei dos meus entremeios. Mas percebo que preocupar-se com o fim é desperdiçar a verdade da vida. O ponto final é certo, como o desse texto, que vai existir. Mas a verdade da vida está no presente, onde escrevemos diariamente os entremeios da nossa história.


"FAÇA DO SEU HOJE, O PRESENTE DE DEUS NA SUA VIDA"

ETERNIDADE...

Indignados estão meus pensamentos
pela razão da loucura que gera o parto.
Parto do conhecimento racional.
Racionalidade de idéias loucas?
Indignação de conhecimento puro.
Excesso de razão causa loucura?
Excesso de loucura gera razão.
O parto que cria loucos faz pensar,
pensamento que loucuras faz deixar.
A razão que sem sentido faz existir,
a grande dor da existência sem fim.
"Dubito, ergo cogito, ergo sum"
"Eu dúvido, logo penso, logo existo"
DESCARTES

9 de janeiro de 2009

ESTÓRIA DE AMOR...


Onde está o coração perdido em busca da razão, sendo que a emoção o prende ao velho passado? Onde está o sentimento que um dia atordoou o velho coração que está, agora, rabugento? Onde está aquele amor, “sublime amor”, que enlouqueceu a razão do animal racional?

Um homem ficou louco por amar o novo, melhor, amar a nova. Fez aquela prova, dedicou sua vida, suas vitórias. Fez de seu destino uma trilha, uma montanha. Traçou os maiores picos, venceu as piores guerras. Tornou-se herói épico. Um herói solitário, sem sua dama por quem dedicou toda sua vida. Triste meio, pois o final é sempre feliz. Qual o destino deste animal que encontra a irracionalidade no amor? Sublime sentimento no qual o ‘grande herói’ encontrou sua dor. Vidas, tragédias, dramas, comédias... Qual o futuro de dois? Dois seres de carne, ossos. Seres fisiológicos. Seres pensantes, porém irracionais. Errantes, concordantes em nomes, dividiram o ano e o mês de nascimento. Dividiram muito mais, em pouco tempo. O olhar: “simples” encontro de dois infinitos. Simplicidade irônica ironiza o ocorrido. O mundo parou e muita coisa mudou na vida de dois indivíduos. O simples ficou complexo, os sentimentos confusos, a pressa como sempre inimiga. O que faz um herói é a capacidade de levantar depois de quedas, e por essas quedas o herói tornou-se ríspido. Desistiu de ser um homem de guerra, pois o motivo que lhe faltava era o amor. Sublime amor? Não mais.
O mesmo motivo que o incentivava a batalhar, fez o desistir. Não faltou o querer, pois esse foi o motivo das lagrimas, do choro e da dor. E sem entender, tudo acabou mesmo sem fim.



Não proclame mais o amor, mas busque ter teu coração repleto dele, sempre.

7 de janeiro de 2009

AMIGOS...




Porque tem dia que é difícil acreditar, é difícil querer? Enfim os nossos sonhos são o combustível da nossa alma... Os nossos ideais são os motivos da nossa existência...
Se não temos ideais, não temos por que ser... Por quem ser...

Vidas são baseadas em sonhos... São marcadas por buscas, por mudanças... Por que viver por viver, se podemos fazer o nosso melhor, fazer a diferença? A mudança?

Por que viver pra nós, se somos tão pouco perto das grandezas deste mundo? Acomodar com o pouco é fechar os olhos pro infinito que existe dentro de nós... é deixar de olhar o céu, o mar... ao próximo... e concentrar em nós mesmos...

Amar a vida é algo involuntário a partir do momento em que respiramos e sentimos a grandiosidade do universo em nossa volta. Amar é algo involuntário que nos faz sorrir um sorriso “de alma”, e pode acreditar, somos capazes de tudo amando... Amar é ter fé, acreditar. Amar é querer, poder e fazer. É celebrar em comunhão a alegria de viver. É doar nossas capacidades e virtudes em prol de um objetivo maior. Por isso ama e faça o que quiser. Primeiro ama...

Escrevi isso tentando aproximar a importância de ter vocês comigo, e nunca vou conseguir descrever esse sentimento somente palavras. Penso em todos os dias o que o futuro nos reserva, e fico feliz de sonhar que o sentimento que nos une é a amizade (uma forma de amor) e ao mesmo tempo entro e pânico em pensar que podemos nem mais conversar no futuro...

Espero que vocês não estranhem esse e-mail, e peço que logo que lerem mandem algum sinal pra mim.
Desejo que vocês conquistem o amor em sua forma mais sublime, e espero que vocês entendam o porquê não compensa viver sem amar. Conto com vocês sempre em minha vida.
De um sonhador utópico.